fbpx
CRÍTICA | MALIGNO (JAMES WAN)

CRÍTICA | MALIGNO (JAMES WAN)

no title has been provided for this book
Em Maligno, Madison (Annabelle Wallis) passa a ter sonhos aterrorizantes de pessoas sendo brutalmente assassinadas. Ela acaba descobrindo que, na verdade, são visões dos crimes enquanto acontecem. Aos poucos, ela percebe que esses assassinatos estão conectados a uma entidade do seu passado chamada Gabriel. Para impedir a criatura, Madison precisará investigar de onde ela surgiu e enfrentar seus traumas de infância.

Até momentos antes de escrever essa resenha eu não sabia se tinha gostado ou não desse filme, pois James Wan consegue brincar com nossas sensações durante este filme. Maligno é um filme que conta a história de Madison (Annabelle Wallis) que passa a ter sonhos estranhos, que funcionam meio que como premonições, que acabam tendo envolvimento da polícia e isso pode trazer muitas coisas a tona sobre o seu passado.

Quero começar falando das coisas que mais me incomodaram, que no caso é o roteiro, por mais que ele conte uma história bem redonda e sem furos, eu não consegui muito entender se o filme gostaria de contar uma história de terror um pouco mais séria ou um filme trash. O filme se leva a sério em sua maior parte, porém faz homenagens a filmes de terror dos anos 80 e 90 e exatamente nestes momentos passa a ficar meio trash, até o texto dos diálogos ficam bobos e cheio de clichês.


E o que falar da direção de James Wan? O diretor entrega uma fotografia com anglos muito abertos, trazendo muita tenção, nos faz achar que em todos os cantos da tela pode ter algo que vá nos assustar ou trazer alguma informação, Wan brinca com o espectador. Nos momentos em que entramos nos sonhos de Madison, a transição que ocorre do real para imaginário é muito bem feito, o efeito especial junto com uma câmera que roda em 360, nos faz ser teletransportado.


O filme começa como um jumpscare, porém ele vira um slasher, e mais uma vez o diretor brilha. Nas cenas que precisam de agilidade e muita ação, o diretor usa muitos planos sequenciais e ângulos abertos, algo muito parecido com o que ele fez em Aquaman, na cena da delegacia você não vai conseguir piscar os olhos. Todo o trabalho de câmera em Maligno é incrível, eu como filmmaker fiquei maravilhado.

Maligno com certeza é um filme que vai agradar a muitos, mas, por outro lado, poderá desapontar muitos outros. Com plot rodeado de reviravoltas e mudanças de gêneros, Maligno pode trazer muitos conflitos ao espectador.